Rage Against the Machine dedica música ao MST em show em São Paulo

11 10 2010

Da Página do MST

O Rage Against the Machine fez uma apresentação no Festival SWU, em Itu, na noite deste sábado. Zack de la Rocha, vocalista da banda, dedicou a música “People of the sun” ao MST.

Ele disse o seguinte: “Esse som vai para os irmãos e irmãs do MST: People of the sun” (veja abaixo).

 

 

Durante a música “Wake Up”, o guitarrista Tom Morello vestiu o boné do MST. Misteriosamente, a TV Globo cortou a transmissão que fazia ao vivo da apresentação.

Durante encontro com militantes do MST, Zack de la Rocha afirmou que vai doar parte do cachê da banda ao movimento. “O MST tem uma experiência muito importante de solidariedade humana e na criação de espaços fora do modelo capitalista, e é muito importante para muitos de nós que, nos EUA, estamos lutando pelas mesmas coisas. Eu acho que MST já criou um exemplo maravilhoso de luta por justiça social e econômica, é um grande exemplo para nós”, declarou.

O Rage Against the Machine é uma banda de rock norte-americana, uma das mais influentes e polêmicas da década de 1990.

Uma forte característica é a mescla de hip-hop, rock, funk, punk e heavy-metal, com letras enérgicas e politizadas.

Junto com a música de protesto, demonstraram a luta pela causa política, contra a censura, a favor da liberdade e em defesa dos mais pobres.

O som do grupo é bastante diferenciado, devido ao estilo rítmico e vocal de Zack de la Rocha e as técnicas únicas de Tom Morello na guitarra.

Veja AQUI as fotos.





Qual deve ser o limite da propriedade da terra?

26 08 2010

No dia 27, acontece no Rio de Janeiro o lançamento do plebiscito. Vai ser às 18h30 na ABI, o endereço é Rua Araújo Porto Alegre, 71 – 9º andar centro (próximo à cinelândia). Compareça, ajude a construir um Brasil mais justo e igualitário para todos.

Plebiscito Popular pelo Limite da Propriedade da Terra
O que é? Quando? Onde? Como? Vai mudar o quê?

Entre os dias 01 e 07 de setembro, toda a sociedade brasileira terá a oportunidade de dizer se é a favor ou contra a concentração de terras no país, ou seja, se concorda ou não com o latifúndio. Nesse período acontecerá o Plebiscito Popular pelo Limite da Propriedade da Terra com postos de votação organizados pela própria população em diversos locais espalhados pelo Brasil inteiro.

A campanha do Limite da Propriedade da Terra é uma ação de conscientização e mobilização da sociedade brasileira para incluir na Constituição Federal um novo inciso que limite às propriedades rurais em 35 módulos fiscais. Áreas acima dos 35 módulos seriam automaticamente incorporadas ao patrimônio público.

O módulo fiscal é uma referência, estabelecida pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), que define a área mínima suficiente para prover o sustento de uma família de trabalhadores e trabalhadoras rurais. Ele varia de região para região e é definido para cada município a partir da análise de várias regras, como por exemplo, a situação geográfica, qualidade do solo, o relevo e condições de acesso. A introdução desta medida resultaria numa disponibilidade imediata de mais de 200 milhões de hectares de terra, sem despender recursos públicos para a indenização dos proprietários. Esses recursos poderiam ser empregados no apoio à infra-estrutura, ao crédito subsidiado e à assistência técnica para os assentamentos.

Saiba como participar desse movimento e contribuir na construção de uma sociedade justa e fraterna: www.limitedaterra.org.br





Interfaces Digitais Colaborativas: linguagens e experiências em rede

5 07 2010

A Escola de Comunicação da UFRJ e a Secretaria de Cidadania Cultural do MinC convidam para o Seminário “Interfaces Digitais Colaborativas: linguagens e experiências em rede” nos próximos dias 7, 8 e 9 de julho na Escola de Comunicação da UFRJ (Praia Vermelha)

Durante os 3 dias do Seminário serão apresentadas as experiências dos Pontos e Pontões, realizadores e pesquisadores do campo das novas midias, produção audiovisual, plataformas digitais criação colaborativa, etc.

O Seminário é a primeira ação do Laboratório Cultura Viva em implantação na ECO/UFRJ com apoio da SCC do MinC e gostaríamos de ouvir e conhecer as experiências e propostas dos Pontos do Estado do Rio/ES.

Inscrições (com certificado de participação) e maiores informações: http://laboratorioculturaviva.pontaodaeco.org.

Siga o Laboratório Cultura Viva no twitter: @labculturaviva

Contato: labculturaviva@gmail.com






Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV e Rede pela reforma da Lei de Direito Autoral realizam debate no Rio de Janeiro

4 06 2010

A lei 9.610, atualmente em vigor no Brasil, foi criada em 1998 e passa agora pela primeira revisão significativa. Desde 2007 o Mistério da Cultura vem realizando debates com a ampla participação dos interessados para discutir uma proposta de reforma. Um anteprojeto de lei deverá ser submetido à consulta pública em breve. Diante desse contexto, é preciso aprofundar o conhecimento sobre a Lei de direito autoral para que seja possível avaliar quais pontos devem ser abrangidos na reforma.

A Rede pela Reforma do Direito autoral, composta por mais de 20 entidades da sociedade civil, realiza nesta quarta (09/06) um seminário na FGV. Veja aqui a programação e como se inscrever.





Direito autoral em debate

25 05 2010

A “Rede pela Reforma da Lei dos Direitos Autorais”, que reúne 20 organizações civis, realizará no dia 26 de maio, às 19h, na sede do Ministério Público Federal, em São Paulo, um ato pela abertura da consulta pública da LDA (Lei de Direitos Autorais – Lei 9.610/98).

Com a manifestação, as organizações cobram do MinC (Ministério da Cultura) a abertura imediata da consulta pública do projeto de reforma da lei atual, para que toda sociedade possa participar e discutir o assunto. O que está em questão é como assegurar o acesso ao conhecimento e a democratização da cultura, e garantir que autores estejam melhor protegidos ao assinar contratos com gravadoras e editoras.
Durante o evento, será divulgada uma carta de princípios para nortear uma nova e democrática legislação autoral. Na ocasião, será lançado o caderno Direito Autoral em Debate, produzido coletivamente pela Rede, que esclarece as relações entre o direito autoral e os recursos educacionais, a produção artística, o acesso à cultura, as possibilidades digitais e os direitos do consumidor e a Carta São Paulo pelo Acesso a Bens Culturais .
Data: Dia 26 de maio
Horário: 19h
Local: Ministério Público Federal – auditório
Endereço: Rua Peixoto Gomide, 768, Cerqueira César, São Paulo/SP (próx. ao metrô Trianon MASP)
Mais informações:
Guilherme Varella – IDEC (Instituto de Defesa do Consumidor) – (11) 8629-9727
Bianca Santana – Casa de Cultura Digital – (11) 8925-6311
Pablo Ortellado – GPOPAI (Grupo de Pesquisas sobre Políticas Públicas para o Acesso à Informação – USP Leste) – (11) 8303-6881
Mariana Tamari – Coletivo Epidemia – (11) 8456-5866

Rede pela Reforma da LDA
Rede de 20 organizações e cerca de 500 músicos, escritores, produtores culturais, cientistas e pesquisadores, com a missão de promover uma ampla discussão no processo de reforma da Lei de Direito Autoral, garantindo o acesso ao conhecimento e a democratização da cultura no país





A festa na Esplanada dos Ministérios

21 04 2010


A comemoração do quinquagéssimo aniversário de Brasília começou em meio a burocráticas cerimônias: hasteamento da bandeira, outorga de moeda e lançamento de selos comemorativos.

Pela manhã, o público tinha a opção de se divertir assistindo ao paraquedismo, ao circuito de volei de praia ou à Regata Comodora, que aconteceu no Clube Cota Mil. A maioria das crianças optou por participar da Parada Disney no eixo monumental.

Durante a tarde, a esplanada estava tranquila, nada de multidão. Os pais aproveitaram o dia ensolarado para deixar seus filhos brincarem  no gramado . Todos mencionavam como o calor era grande, algumas crianças acabaram entrando no espelho d’agua que fica em frente ao Congresso. A atmosfera era a mesma de um parque: pessoas deitadas na grama, piqueniques e meninos brincando de bola. A maioria das famílias tinha chegado para o evento da Disney e iriam permanecer até os shows da noite.

Os vendedores ambulantes também lucraram com a festa. Era notável a quantidade de barracas que vendiam tanto bebidas, como lanches. Houve quem trouxesse seu próprio isopor e cerveja em busca de economia.

Patrícia, cidadã brasiliense,  foi para a festa e levou seus amigos: “Tá bom, podia estar melhor. Está muito desanimado, seria mais interessante se houvesse outras atividades.” Comentou sobre o evento.

Como de costume, a esquadrilha da fumaça deu seu show a parte e deixou a todos encantados.

Entre as atividades culturais, estavam o Congado Festival e a Universidade do circo, que segundo o próprio público, foram muito pouco divulgados.

A Esplanada contava com três palcos: o palco gospel, o palco católico e o palco principal. Enquanto nos primeiros se apresentavam bandas religiosas, o último realizava um rodízio de estilos.  Começando por Bumba meu boi de seu Teodoro, Grupo Catira e Grupo feminino abatalá.  Mais tarde aconteceriam os shows mais esperados, como Paralamas do Sucesso, Nando Reis e Daniela Mercury.

Os políticos não perderam a oportunidade de fazer propaganda. Um boneco gigante vestia a camisa com o nome do deputado Rodrigo Rollemberg e ao seu lado estava “JK”. Sobre o fato, algumas pessoas disseram não haver problema, já outras afirmaram ser desnecessário a propaganda em uma confraternização pública.

Poucos sabiam da festa Brasília Outros 50 que aconteceu perto da Torre de Tv, os que sabiam acreditavam ser algo pequeno e por isso não deram muita importância. Maria Inês declarou que era apenas um evento para competir com a  festa do GDF  “É uma festa de revolta, não é? É só pra tentar convencer o pessoal daqui a ir pra lá”.

A tarde no centro da capital federal terminou com caravanas de famílias e jovens chegando em busca da real diversão, que estava por vir . Os shows no Palco Principal eram os mais esperados. As apresentações são principalmente de artistas e compositores brasilienses, uma verdadeira homenagem à cinquentona.

Por Bárbara Cabral. Fotos Thiago Vilela.